Amo tecnologia

Well, estou postando este texto usando meu teclado novo, adaptado ao tablet. Confesso que tinha um certo receio em comprar um teclado…mas funciona! Nao eh nenhuma brastemp, mas da pro gasto. Como podem ver nao tem acento, vez em quando come umas letras porque utiliza bluetooth (isso eh o que eu acho) mas eh melhor para digitar um texto, um email, coisas um pouco maiores que um coment no face. Pode ser que agora eu volte a postar por aqui. Ruim ta o cheiro de novo do couro…arg! Mas sempre gosto de uma tecnologia nova. Pareco crianca com brinquedo novo…hehehehe. Agora vou ver se configuro melhor essa coisa pra parar de comer letras e nao abrir o teclado virtual. 

Abracos!

Meus planos x planos de Deus?

Faz um tempinho que queria escrever pra contar como foi o resultado do meu desafio de fé feito no começo do ano, que resultou na nossa ida para  a Europa, por 6 meses. Bom, primeiro quero dizer que ficamos muito felizes por que, na época,  recebemos a promessa de que receberíamos, em um futuro bem próximo,  o dinheiro de que precisávamos para ir e pagar todas as despesas. Não preciso dizer que foi algo impressionante alguém chegar e dizer que vai investir 15 mil reais em um projeto de missões…do qual não vai fazer parte pessoalmente. Tem que ter um coração muito doador e comprometido com o evangelho. Infelizmente não se encontra toda hora alguém assim. Mas, firmados nessa palavra, compramos nossas passagens e fomos. Detalhe: o dinheiro jamais chegou. Horrivel? NÃO,  MARAVILHOSO! Incrivel como Deus age na vida da gente de forma completamente diferente do que podemos imaginar. Recebemos muitas ofertas que nos ajudaram naquele tempo todo mas esta, especificamente, nunca chegou, por razões que ultrapassaram o desejo de quem queria ofertar.  Sei que aquele coracão desprendido foi abençoado. Lindo como Deus tocou nessa pessoa que amamos muito. E creio que foi bem de Deus tudo isso. Ele encontrou um modo peculiar de nos mostrar que quando Ele diz pra fazermos algo…É pra fazer, sem perguntar como. Ou seja, deu tudo certo quando parecia que ia dar tudo errado. É muito fácil dar um passo quando se sabe onde pisa. Dar o mesmo passo, pela fé,  sem ver o recurso, mesmo crendo que é de Deus…É mais complicado. Somos muito racionais, temerosos, calculistas. Eu achei que meu milagre seria receber o valor que eu precisava para ir. Mas o milagre era ir sem ter essa segurança. Olha, não foi fácil,  mas foi incrivelmente bom! Foram 6 meses em que vivemos coisas maravilhosas, que tempo! e agora queremos mais. Queremos voltar! Agora para trabalhar e concretizar muitos sonhos de missões que nos acompanham por quase 20 anos. É mais um desafio. Viver com Deus tem sido assim: aprender a sonhar, esperar, crescer, amadurecer, sofrer, chorar, sorrir muito e ver que, verdadeiramente, os pensamentos dEle são muito mais altos que os nossos. Que bom que é assim. Afinal, o que eu sei do meu futuro? Nada. O que sei e quero continuar aprendendo é que, como diz um amigo muito sábio,  “não tem jeito da minha vida dar errado. Porque pra ela dar errado Deus tem que dar errado, e isso não é possivel.” Que pensamento, ein? Abraços. 

Tempo de retornar…

Parece incrível,  mas nosso tempo na Europa está acabando. Quase 6 meses… Faltam, agora, 9 dias para o retorno. Impressionante como passou rápido. E mais impressionante foi tudo o que vivemos aqui. São experiencias que levaremos para o resto de nossas vidas. Pessoas incríveis que conhecemos, amigos que reencontramos, relacionamentos que se estreitaram. Impossível descrever. Meu coração está,  ao mesmo tempo triste por partir e feliz por voltar. Mas confesso que gostaria de ficar (ou voltar) à Europa e passar mais algum tempo, talvez alguns anos. Mas isso fica nas mãos de Deus. Posso dizer que foi a experiência mais edificante e linda que já vivi. Eu não mudaria nada. Viveria tudo outra vez com ainda maior intensidade. Mas agora é hora de arrumar tudo, aproveitar o tempo que resta e guardar no coração cada momento. Me sinto extremamente privilegiada por poder viver para experimentar algo assim. Isso não tem preço. Creio que volto para o Brasil como uma pessoa melhor, com novos horizontes, e um enorme jardim. Sim, agora o mundo é como o jardim da minha casa. Não vejo mais limites onde eu não possa ir, se Deus permitir. Isso me deixa feliz e com um peso de responsabilidade, porque por onde vamos deixamos amigos e laços que nos ligam a outras vidas, e isso é precioso. Decidi escrever essas poucas linhas enquanto espero o sono chegar. São 01:10 da madrugada e todos dormem. E eu tb já vou indo. Amanhã ainda tem um pouco mais para viver…

Abraços! 

Vivendo na Europa.

Depois de passar quatro meses vivendo na Europa, acho que já posso falar um pouco sobre isso. Creio já passamos da fase “turismo”. Ficamos os primeiros três meses na Alemanha, mas vivendo uma situação diferente. Lá estávamos rodeados de brasileiros, comendo comida feita por brasileiros. Isso diminui em muito o tal choque cultural. E também não nos dá uma ideia muito clara a respeito de “como se vive sendo um estrangeiro”. Agora, na Escócia, temos uma visão um pouco melhor. Não se tem grandes atividades na igreja como no Brasil. Isso nos coloca numa posição mais…well, eu diria quieta,”isolada” seria exagero. Também temos brasileiros aqui, tanks God! Mas eles têm suas ocupações, trabalhos, filhos, não estão o tempo todo a nossa volta, o que é muito diferente daquela turma barulhenta, jovem e divertida que tínhamos todo dia no Open Heart. Hoje vivemos uma nova estação, literalmente. Lá era verão. Muito quente mesmo. Estamos no outono agora. As coisas mudam, folhas mudam de cor, caem, e é lindo. Diferente mas lindo. Aqui estamos só nós na casa, praticamente. Nossa hospedeira, Rona, tem 46 anos, solteira, trabalha o dia inteiro e faz outro tanto de coisas à noite, pouco nos vemos. Ela é um doce de pessoa e somos muito gratos pela oportunidade de estarmos em sua casa, num quarto ótimo com banheiro só para nós. Um privilégio. Na Alemanha não tínhamos TV, nem sentíamos falta. No tempo de folga o que não faltava eram coisas pra fazer ou gente pra conversar. Aqui também não temos TV…ou temos, mas é a do Estado ( º~º ) e pouco se entende o que eles falam. Quando em casa estamos sós. Então, temos tempo para o … nada. Interessante coisa é fazer nada. Edinburgh é uma cidade linda. Amo andar pelas ruas, praças, o centro é simplesmente wow! Pra todo lugar que se olha é bonito. Geralmente há um som de pippers (gaita de foles), ou é um escocês tipicamente trajado ou é alguma loja de artigos como scarvs, kilts, cartões postais, etc. Coisas pra turistas. As lojas…estas são um caso à parte. Dá vontade de sair comprando loucamente. Primeiro porque os preços são muito melhores que no Brasil; segundo porque as lojas têm de tudo e parece que eles colocam somente as coisas que gostamos pra vender…um mistério! Mas auto controle é uma virtude que eu ainda possuo, pelo menos quando o assunto é comprar. Ah…tem brasileiro por todo lado, na Primark então… Comida: não é cara mas tb não é barata. Um sanduíche na rua sai por £ 2, 50 (× 3, 80 para reais). Um café na Starbucks sai por £ 2, 45, um mocha médio (delicia). A passagem de ônibus eu acho muito cara mesmo, £1, 50. Cada vez que vamos dar uma volta gastamos £3, 00. Dá pra comprar as “all day”, mas pra nós nao compensa porque usamos pouco. E tem uma coisa: não dão troco, tem que colocar as moedas certas no local e o motorista imprime o ticket. – Two single, please. Internet e celular: usamos da 3, tanto no cel quanto no wifi. Para o celular, comprei um crédito de 10 pounds em Bishop’s e ainda posso usar, mas não fico conectada na internet, só qdo preciso. Caso contrário não dura. O wifi…bom, com ele tomamos um susto. 15 £ durou menos de 2 semanas. Claro, postando fotos, vendo vídeos e deixando ligado…Não deu. Agora é para ver emails, face e desligo. No supermercado os preços são razoáveis, equiparados ao Brasil. A carne é cara e ruim, pelo menos a que eu comprei, macia mas sem gosto. Dizem que a boa é de Angus escocês, mas esta é beeem cara. O Lidl Supermarked é o mais em conta e ainda tem a Poundland, onde se compra um chocolate Toblerone gigante por um pound! Hehehehe….chocolate tem aos montes, baratos e maravilhosos. Lindt black é meu preferido. As geléias são tudo de bom! Difícil é comprar algo sozinha. Precisava de uma massa de tomate; depois de tentar descobrir por uns 15 minutos o quê era o quê entre todas as latas e vidros…comprei uma sopa… 😦 …hahahahahahaha. Morar aqui não é nada barato. Um aluguel de apartamento decente, de 2 quartos, sai por £600, mais umas taxas, água, luz, gás. E os imóveis são interessantes. A parte externa é pedra, mas o interior é madeira, espuma isolante, carpete…Não tem laje separando os andares. Banheiro tem piso de vinil, bem como nas cosinhas. Não todas mas a maioria. As paredes tb não são de tijolos. Bom, tijolo eu não vi por aqui, acho que não tem mesmo. E quando se entra nas casas tira-se os sapatos. É costume e regra. Todas as casas possuem carpete, e pra manter mais limpo se tira os sapatos, inclusive as visitas. Na rua é frio e dentro é quente, usar blusão de lã , gola alta, nem pensar! Talvez no inverno e quando entrar em qualquer lugar vai ser obrigado a tirar! Usa-se casaco quente e blusa leve por baixo. E uma scarv, sempre. Pra quem não sabe é a velha e boa mantinha. Tudo é velho, fora shoppings e alguns prédios novos. E eles fazem questão de manter assim. Eu acho ótimo. Tem quem não goste. A mão invertida nas ruas e carros é complicado de se acostumar. Vai atravessar a rua? Olha primeiro pro lado direito! Os carros parecem andar sem motorista…hehehehe. Temos vivido um ótimo tempo aqui, o clima tem ajudado, não chove tanto e o frio não é o de costume para a época, praise God! Temos feito alguns passeios, visto castelos, os amigos tentam de tudo para nos agradar. Meu inglês ainda é sofrível, mas Rona diz que é perfeito! Rsrsrsrsr….dá pra sobreviver, entender os cultos sem tradutor, o problema aparece quando falamos com alguém com forte sotaque escocês. Daí a coisa fica complicada. Eles parecem paranaences falando inglês…hehehehehe…sory! (com um r só pra mostrar o som). Bom, já escrevi quase um livro! Deu, era isso. Poderia dizer mais coisas mas vai encher o saco do leitor. Escreverei mais sobre a Inglaterra. Obrigada pela paciência! Abraços.

Long time out…

Parece que faz um século que não entro no blog. Também … não tenho muito tempo para escrever atualmente. Entrei só pra rever a página e dizer que estou bem, como todo mundo deve estar vendo pelo face. Em Edinburgh agora, depois de uma jornada maravilhosa pela Alemanha.  Tenho muitas coisas para contar, mas terão que ficar pra outro momento. Depois de uma caminhada pelo centro da cidade, aliás que cidade bem linda!, estou podre e com dor na perna. Mas volto outro dia, com mais calma.

Abraços.